15 de mai de 2012

Perceber o outro


Algum tempo atrás presenciei uma cena que me perturbou. Eu passava apressada por uma das praças centrais da cidade quando algo se destacou no meio do movimento da rua. Era uma senhora de uns cinquenta anos talvez, sentada num banco da praça, fumando e chorando desesperadamente. Ela olhava pro nada e chorava. Chorava de tremer o corpo. Aquela cena me tocou. Tive vontade de me aproximar e perguntar se podia ajudar, mas não fiz. Pensei em fazer, mas não fiz pelo tempo que não tinha para ouvir naquele momento. Isso me doeu.