23 de set de 2008

Pode crer... Eu tô falando de amizade...

Dizem que um filho é sempre um presente. Eu sou uma primogênita. Padrinho é uma pessoa escolhida pelos pais de uma criança para ser o “pai espiritual” dela. Meu pai tinha um amigo inseparável na juventude. E era tanta amizade que quando nasci, ele me “deu” como afilhada. Eu, a primogênita dele. Nome do amigo? Daniel Catalan. Meu padrinho não esquentou muito o banco em Livramento, logo ele tomou outro rumo. Engenheiro de formação foi trabalhar na Bahia, estado que o apadrinhou também. Durante minha vida foram poucas as vezes que nos encontramos e a distância fez com que a gente não participasse tanto da vida um do outro. Mas a amizade entre meu pai e meu padrinho é tão grande, que a idéia que tenho dessa pessoinha é baseada na “leitura” que meu pai faz dele. Meu pai tem sempre histórias divertidas pra contar e onde sempre fica claro o sentimento maior de amizade que perdura apesar da distância. Como é lindo ver uma amizade sincera. É um presente valioso. Duas histórias surgem na minha lembrança quando penso em meu padrinho. A primeira é sobre a única vez em minha vida que pulei de um trampolim. E quem estava lá? O meu padrinho... Ele, geralmente, ia no verão pra Livramento e nós íamos para a piscina da Santa Rita. Sempre tive um pouco de medo d’água...Mas meu padrinho me convenceu a subir no primeiro trampolim e saltar na piscina que deve ter uns 3m de profundidade. Mesmo com medo fui. Fui porque ele prometeu me segurar lá embaixo. Nunca esqueci aquela sensação... De ir afundando na água com a certeza de que não ia me acontecer nada de ruim. Meu pai sempre dizia que meu “dindo” era um bom nadador. Nunca mais fui ao fundo de uma piscina, nem tampouco saltei de um trampolim. Meu “dindo” não estaria lá embaixo. Sem chance então. A outra história é sobre um encontro que meu pai e meu padrinho e mais um amigo deles marcaram na época da juventude. O ano 2000 sempre foi visto como algo muito longe, um futuro cheio de mitos e quase inalcançável. Pois eles marcaram de se encontrar no dia 7 de Setembro de 2000, no coreto da Praça General Neto, em Santana do Livramento, às 12h. No encontro deveriam levar suas respectivas famílias. Cresci ouvindo meu pai falar do tal encontro. Pedia sempre pra ele contar de novo e dizer o dia. Quando entrou o ano 2000 nossa ansiedade não era pouca (hehehe). E no dia e hora marcados estávamos lá. Meu padrinho veio... "Despencou" da Bahia até Livramento para não dar “bolo”. Palavra é coisa pra poucos. O outro amigo...? Esse deu “bolo” (hehehe). Tudo bem... Almoçamos todos juntos, rimos muito e passamos uma tarde agradável tentando localizar o terceiro integrante da história. E aproveitamos pra marcar mais um encontro... (hehe) Só que agora esqueci a data certa (hehe). Esse mês os amigos se tornaram uns senhores sexagenários, mas isso não mudou em nada o sentimento entre eles. Como diria um cara que andou lá por Brasília, essa amizade já pode ser considerada “imexível”. =) Agora chegou a minha vez de viver o outro lado. Em fevereiro de 2009 nasce o meu(inha) afilhadinho(a). Serei dinda! E de um primogênito também. Estou muito feliz!

4 comentários:

Braulo disse...

Amiga querida, mesmo já conhecendo essas histórias da tua vida, graças a nossa amizade, que embora não sendo tão antiga assim tem para mim um valor imensurável, lendo o texto senti uma emoção diferente, sei lá, acho que vi uma Stella mulher, que abriga uma Stella menina, que não perdeu a doçura e o amor pela vida! Beijos no coração, adoro ocê! hehe

Larama disse...

Filha!!! Que bom que deste um jeito no Blog, ele tinha de levar umas palmadas...e sentir emoção de recordar alguns momentos em nossas vidas...e teus escritos são algo de muito do legal de se ler...creio ...quando tu vir passar uns dias por aqui vou pedir orientação pra técnica e um pouco pra Filha também, pra fazer um BLOG pra mim poder voltar a escrever...que vontade boa dá...mas a tua reformulação ficou muito bem, melhor...parabéns...tu sabe que teu pai é meio chorão, e a esta hora da manhã 06,20hs, os olhos ficaram marejados...mas é assim mesmo nossa vida nos dá alegria e nestes momentos é que sentimos o quanto é bom ser pai de uma criatura como você...ah! antes que me esqueça...hoje Papai Noel estará chegando as Lojas Colombo a tarde...que bom que ele tem uma filha muito semelhante a você...bjuuuuuuuusssssss na alma...belo dia...

fatimafabres disse...

Stella !!!!
Que gostoso ler teus textos!!!

Stella disse...

Resposta:
* Braulo, nossa amizade vem de outras vidas. Tento sempre manter a doçura e o amor pela vida, mesmo nos momentos difíceis. Fico feliz pela amizade, também te adoro. Bj

* Véio! Que bom que gostou do "novo" blog. Sei que tu é chorão... É emoção por ter uma filha como eu (hehehe).

* Olá, Fátima! Que bom que passou por aqui e que gostou dos textos. Volte sempre. Abração.